24 setembro, 2006

Percevejos


"Quando a cama aqui foi posta e armada, ainda não havia percevejos nela, tão nova era, mas depois, com o uso, o calor dos corpos, as migrações no interior do palácio, ou da cidade para dentro, donde este bichedo vem é que não se sabe. [...] Em noites que vem el-rei, os percevejos começam a atormentar mais tarde por via da agitação dos colchões, são bichos que gostam de sossego e gente adormecida. Lá na cama do rei estão outros à espera do seu quinhão de sangue, que não acham nem pior nem melhor que o restante da cidade, azul ou natural."

O percevejo, como bicho democrático que é, atormentou os leitos de pobres e ricos. Nem reis nem rainhas escaparam às suas picadelas infernais!

Esta falta de higiene que se manteve até ao século XIX arrepia-me. E os percevejos não são disso o único exemplo. As pessoas eram enterradas nas Igrejas e sentia-se o cheiro a carne podre durante as missas, e Lisboa era uma cidade afundada em porcaria. Saramago também nos conta o ambiente vivido na cidada das sete colinas:

"... a cidade é imunda, alcatifada de excrementos, de lixo, de cães lazarentos e gatos vadios, e lama mesmo quando não chove."

De facto, Lisboa era uma pocilga. Os penicos eram despejados para a rua, sendo o único aviso dos que nela transitavam a frase "água vai". Depois deste sinal, era fugir a sete pés!

Definitivamente, o "cheira bem, cheira a Lisboa" não se aplicava nestes tempos...

4 comentários:

laranjinha disse...

Adoro Lisboa. A luz, as ruas, a vida na cidade, etc ... No entanto, em Lisboa ainda há ruas sujas, com lixo no chão, alguns locais (exemplo traseiras do castelo) muito degradados, às vezes cheira mal e hoje, fala-se em zonas com níveis de poluição demasiado elevados.

totoia disse...

É isso mesmo laranjinha, o "cheira bem cheira a Lisboa", só se aplica em algumas zonas e nem sempre...

Sandra B. disse...

Realmente nessa altura a falta de higiene imperava e como consequência as doenças! Não era descuido das pessoas mas era assim o modo de vida, tanto que nem pobre nem rico se escapavam a estas rotinas pouco ou nada higiénicas!

Actualmente a situação é outra e a falta de higiene e cuidado que se vivem hoje em dia (que é muito menor que a de antigamente) são produto da falta de civismo e higiene do vulgar cidadão!

Barão da Tróia II disse...

Hoje estamos muito melhor, nuns locais, porque noutros tá tudo ainda no século XIX. Boa semana