04 fevereiro, 2008

Esperanto

Já falámos do esperanto no À Volta das Letras a propósito do livro do Gonçalo Cadilhe. Agora encontrei novamente uma referência a esta língua que pretende ser universal e encontrei também o quinês.


O quinês foi criado por Joaquim Augusto Junqueira, que entende ser a falta de comunicação ou a dificuldade de entender a língua a responsabilidade da guerra. Por isso criou um código de sinais e cruzes que partilhava com o seu colega português na escola para cabular.


O quinês evoliu, o seu alfabeto é composto por 38 a 40 letras e até têm um dicionário.


O esperanto já está difundido por várias países, será que o quinês conseguiu singrar?


Bonan Posttagmezon (boas tardes em esperanto)

Sem comentários: