31 outubro, 2006

Expressão artística

"Ao ouvir estas palavras, Carlos lembrou-se, por associação de ideias, da mãe. Lembrou-se sobretudo da maneira apaixonada como ela falava de uma casa de família na Metrópole, uma casa de sonho, dizia ela, com paredes forradas de azulejos barrocos com pinturas de anjos e caravelas. A mãe gostava muito daquela casa - foi ali que passaram a lua-de-mel. Gostava tanto dos azulejos que os reproduziu num quadro que pendurou na parede de uma das salas da Fazenda das Terras do Mundo Perdido."
In Paralelo 75, pág. 200
O azulejo chega até nós pelas mãos de D.Manuel I, em 1498, que numa viagem a Espanha fica deslumbrado com a decoração dos edificios visitados em Saragoça, Toledo e Sevilha. Decide então trazer o azulejo hispano-mourisco para Portugal, podemos ver algumas obras no Palácio Nacional de Sintra, uma das residências do rei.

Portugal manteve a produção de azulejos, podemos hoje ver esta forma de expressão artística em quase todos os palácios, igrejas,mosteiros.
Em 1980 é criado o Museu Nacional do Azulejo, tendo como anexo a igreja, a sacristia, a sala do capítulo, o coro e os claustros do Convento da Madre de Deus.

2 comentários:

Sandra B. disse...

Bem dita a hora em que D. Manuel I trouxe o azulejo para Portugal! É algo que embeleza muito uma casa, sem dúvida!

Fiquei com curiosidade de visitar o Museu Nacional do Azulejo!

totoia disse...

Se poders visita porque de facto vale a pena, tem um restaurante muito simpático no interior.

Bjs