12 outubro, 2006

Desafio ...

«O melhor daquela viagem foram mesmo os quinze dias em alto mar (...) É verdade que o paquete Pátria era um verdadeiro luxo e nem o facto de vir a abarrotar de gente lhe retirava parte do seu esplendor. Parecia um hotel de cinco estrelas a deslizar pelo oceano, o pequeno-almoço servido em Vista Alegre, talheres de prata adormecidos sobre guardanapos de linho, o almoço à beira da piscina, a ceia de fato e gravata apesar do calor tórrido. Era um ambiente digno de um filme americano (...)»
in Paralelo 75, P. 21 e 22

Como sabemos, muitos foram os portugueses que sairam das ex-colónias em África, alguns apenas com a roupa no corpo, como se costuma dizer. Uns vieram para a Metrópole, outros rumaram a outros destinos, por exemplo África do Sul.

Este é um momento da nossa história de que ainda se fala pouco. E, pelo que sei, não recebemos de forma digna os chamados "retornados" .

Gostaria de lançar aqui um desafio: convido-vos a partilharem connosco histórias/experiências de que tenham conhecimento ou que algum familiar viveu. Para isso, podem colocar comentários ou enviar-nos os vossos textos ou outros elementos (fotos, cartas, postais, etc ...) por email.

A leitura deste livro pode ser uma forma de darmos a conhecer histórias individuais, de pessoas comuns, que viveram parte da nossa história que ainda está adormecida.

Como era a vida na Metrópole? Que diferenças com a vida nas colónias? Como reagiram as pessoas à chegada dos retornados? O Estado apoiou-os? Como foi recomeçar tudo de novo? Quem chegou que dificuldades encontrou?

Muitas são as questões que poderia continuar a colocar. No entanto, fica aqui o desafio, por agora apenas ligado à vida nas colónias e ao retorno a Portugal. A seu tempo será alargado à Guerra Colonial.

4 comentários:

totoia disse...

Por aquilo que ouço os meus tios contarem a vida em África era muito boa, as recordações deles são felizes.

Anzol disse...

Pelo que ouvi do meu pai, a vida em África (Angola, São Tomé e Principe, etc.) foi recheada de aventuras, oportunidades e coisas diferentes e muitas delas belas e selvagens ou... primitivas. A começar pelas paisagens, os "monumentos" naturais, a forma de viver de algumas etnias (ou tribos). Por exemplo, a grandeza e riqueza de Angola foi-me descrita como um conto de fadas.
Quanto aos "retornados", a opinião de alguém que também regressou perdendo a riqueza que tanto custou a ganhar era de que um dia a opinião histórica seria inevitavelmente de que foi, apesar dos exemplos contrários que se possam relatar, um esforço quase sobrehumano de um país que recebeu de volta a sua gente quando ainda acbava de acordar de si mesmo e empobrecido de tão violenta forma de um dia para o outro com a perda dos até então seus territórios ultramarinos.
Não é de relevar que possa ter havido reacções internas a essa "invasão" mas acredito que podemos dizer que recebemos de volta um mar de gente e que isso poderia resultar em naufrágio do país se não fossemos realmente gente de brandos costumes.

P.S.: Parabéns pelo Blog!!

Sandra B. disse...

Das pessoas que conheço os factos que relatam são sempre felizes, não conheço nenhuma história ao detalhe nem com documentação anexa!

No entanto, pela minha percepção acho que deve ter sido muito complicado para essas pessoas (retornados)recomeçar tudo de novo e perder o que tinham reconquistado anteriormente!

Pelo que sei também não foram muito bem recebidos pelos que cá estavam pois estes últimos julgavam que de alguma forma os retornados eram mais beneficiados pelo Estado!

Modigliani disse...

Tenho muita curiosidade sobre esse passado tão recente da nossa história.
Das conversas que já tive sobre este assunto, parece que há sempre uma grande nostalgia por parte das pessoas e uma grande mágoa também. E por outro lado, uma saudade imensa de uma terra que parece ter a capacidade de nos absorver e esmagar profundamente.
Vou aproveitar para indagar junto das pessoas que me são próximas e que estiveram em África para saber mais.
Modigliani