16 outubro, 2006

As Terras do Mundo Perdido



“(...)Ao terceiro dia de viagem, a carrinha de Euclides Carapato penetrou na floresta cerada. A folhagem luxuriante abafou a paisagem, o sol eclipsou , a temperatura baixou, a humidade subiu, o cheiro húmido da terra invadiu as narinas. Foi certamente este cheiro típico de África que acordou o Sr. Engenheiro. (...)”

In Paralelo 75, p.136

Podemos a imaginar a sensação que o Sr. Engenheiro teve ao regressar a África, à sua fazenda aos locais onde viveu durante tantos anos.
Quantas vezes sentimos a necessidade de voltar a lugares e a viver situações que guardamos na nossa memória?

3 comentários:

Modigliani disse...

A descrição sobre o regresso do sr. Engenheiro às terras do mundo perdido faz-nos pensar...
Os cheiros acompanham-nos desde sempre, agarram-se às nossas memórias. Por várias vezes atravessei o tempo e recordei velhos tempos, efeito despoletado por determinados cheiros. E então, sente-se a saudade de um tempo que já passou.
Modigliani

Sandra B. disse...

Muitas vezes sentimos necessidade de reviver certas situações e o cheiro pode ser suficiente para o aflorar de muitas memórias! Já me aconteceu muitas vezes!

totoia disse...

Tal como acontece com músicas. Há músicas que me lembram determinado dia ou pessoa.

Não são raras as vezes que sinto necessidade de recordar outros tempos, outras vivências talvez não com a intensidade do Sr. Engenheiro pois as minhas memórias não estão assim tão longe, nem são talvez tão marcantes.